estes dias [de grávida]


Descanso pouco. Ando a trabalhar até de madrugada e durmo meia dúzia de horas. Quando tento ir para a cama mais cedo, num dia tenho insónias, no outro tenho pesadelos ou a C. acorda e vem para a minha cama dar-me abraços e pontapés. Não faço sestas. As pernas são o meu barómetro: eu abuso, elas avisam. A barriga cresce a olhos vistos e já tem vezes que fica dura. De vez em quando dão-me os medos do parto. Nunca os tive na primeira gravidez, tenho-os agora. Talvez porque estou a passá-la sem o Bernardo perto e a correr o risco de ele não estar comigo no dia. Já não disfarço as 22 [ou serão 23?] semanas, ainda que continue a vestir as minhas t-shirts e calças de ganga boyfriend rasgadas.

Como assim-assim. Menos fruta do que devia [logo menos idas à casa de banho], mais pão do que é suposto. Mas nunca mais comi uma tíbia [só uma clarinha de Fão]. Sou muito livre na alimentação, não tenho restrições. Permito sushi, fiambre, morangos bem lavados, todo o tipo de queijo e até marisco cozinhado [vá lá, matem-me]. É o meu médico que manda. Mas não bebo uma gota de álcool e não pego num cigarro. Exercício físico: andar a pé, check; pegar na Constança ao colo e mais em berços e compras de supermercado, wrong. Mas não tenho outro remédio.
Férias? Uma semana a acabar e o balanço é: no pc todas as noites, dois dias de calor em Braga, duas horitas de pés na areia, zero mergulhos no mar, piscina só para fazer a vontade à C., 20 minutos de leitura ao nevoeiro, demasiado vento e temperaturas muito fracas. Blhec. Compensou o fim-de-semana na Corunha, o convite para ir às sardinhas e as visitas à avó, tios e primos. A Constança está a adorar essa parte e a mim sabe-me bem intercalar a vigilância. A Camila também e já dá muito o ar da sua graça, principalmente à noite ou se me ponho de barriga para baixo. 
E os humores: ora relativamente controlados, ora nem por isso. Há quatro meses por minha conta com ela, começo a acusar cansaço [uma mãe a solo não tem um minuto de sossego], alguma falta de paciência para as birras [hoje foram duas daquelas], desânimo em enfrentar a logística sozinha [ir à praia só as duas, mesmo sem levar a casa atrás, não é fácil] e frustração com as falhas de rede, a falta de net ou o skype que não funciona. Ai, ando grávida, mesmo grávida. E com a cabeça cheia, mais do que devia. Há dias assim: nem tudo são rosas.

3 comentários a “estes dias [de grávida]”

  1. Olá ANA, não gostei do “tom” deste desabafo….muito desanimado….Vamos lá ganhar novo fôlego, fazer uma alimentação mais cuidada, beber mais água e sobretudo descansar mais! Nesta fase é importante o descanso, aliás agora é o mais importante. O resto logo se resolve. Vai-se resolvendo. Tudo a seu tempo, exactamente quando deve ser. Há alturas na nossa vida que é preciso parar e deixar acontecer, só isso. A vida também se resolve por si. As situações vão tomando o seu rumo de forma natural. Não adianta nada a nossa ansiedade em acelerar o que quer que seja. Se não tiver de ser, não é, não acontece. Ou no limite se forçamos muito a situação o resultado não é bom. Não é o que queremos. E depois a frustração é pior do que a ansiedade que a causou… A Carminho ainda tem uns meses de “forno” 🙂 por isso abranda o ritmo. O que tiver de ser será. Deixa fluir. No devido momento tudo vai encaixar no sitio certo. Grande beijinho.
    Joana

  2. Olá ANA, não gostei do “tom” deste desabafo….muito desanimado….Vamos lá ganhar novo fôlego, fazer uma alimentação mais cuidada, beber mais água e sobretudo descansar mais! Nesta fase é importante o descanso, aliás agora é o mais importante. O resto logo se resolve. Vai-se resolvendo. Tudo a seu tempo, exactamente quando deve ser. Há alturas na nossa vida que é preciso parar e deixar acontecer, só isso. A vida também se resolve por si. As situações vão tomando o seu rumo de forma natural. Não adianta nada a nossa ansiedade em acelerar o que quer que seja. Se não tiver de ser, não é, não acontece. Ou no limite se forçamos muito a situação o resultado não é bom. Não é o que queremos. E depois a frustração é pior do que a ansiedade que a causou… A Carminho ainda tem uns meses de “forno” 🙂 por isso abranda o ritmo. O que tiver de ser será. Deixa fluir. No devido momento tudo vai encaixar no sitio certo. Grande beijinho.
    Joana

  3. Força Ana! Hoje foi um dia menos bom. Amanhã vai ser um dos bons, concerteza. Que estes comentários te sirvam de algum apoio e te possam transmitir ânimo e energia. No meu caso, alguns dias menos bons desta minha segunda gravidez tornam-se melhores com a “boa onda” dos teus textos e com o optimismo e esperança que tens no futuro. Por isso tudo, obrigada! 😃

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *